Blog das Essências
Blog das Essências
Blog das Essências

O DILEMA DAS REDES

Este é o documentário do momento, esta fazendo sucesso pois alguns dos ex-funcionários das mais famosas e poderosas redes sociais resolveram contar como é feita a manipulação por trás destas firmas.

Somos suscetível a todo e qualquer tipo de atenção, afinal desde o nascimento até um bom tempo depois, precisamos das relações humanas para sobreviver. Ficamos muito tempo ‘na mira’ direta de quem nos dispensa muito tempo e atenção para que possamos ter conforto físico e emocional; seja pelo alimento, sono, asseio e boas doses de carinho e afeto. 

Na maioria das vezes é justamente através da atenção que nos dispensam que nos tornamos seres sociais, nos reunimos desde sempre em grupos para uma infinidade de situações. Isso desde que o mundo é mundo. 

Neste documentário estes ex-funcionários e mais alguns tantos professores de comunicação e informática nos contam que as redes sociais usam o mesmo procedimento. Afinal têm sistemas operacionais que “sabem”o que nos chama mais atenção e assim providenciam tais coisas.

Por exemplo, quem nunca passou por isso – se nos detemos pesquisando valores de uma torradeira, misteriosamente todas as lojas que vendem este tipo de torradeira começa a enviar vários modelitos e preços desta mesma torradeira.

Estas redes sabem de tudo, até mesmo o que não gostaríamos que ninguém soubesse. As explicações dadas por eles é simples o tempo de atenção que precisamos. 

Dá mesma forma quando damos um “like” em um determinado assunto, somos “fisgados” e passamos a recebem temas relacionados a ele.

Os atrativos que nos detém por mais tempo ligados na rede para eles é ‘dimdim’ no bolso, e nós ficamos cada vez mais presos, nestas redes de identificações.

É na verdade um mundo mágico que existe por trás destas redes sociais, que ao mesmo tempo nos dão muita atenção através dos “likes” que recebemos daqueles que fazem parte da minha, sua e nossa rede pessoal, ou através destes ‘posts’ que aparecem enquanto estamos navegando.

O incentivo para cada um é a atenção que nos dispensam, para eles da redes é o quanto somos capazes de adentrar neste emaranhado de grupos e assim nos perpetuamos plugados naquilo que eles indicam.

Ivan Petrovich Pavlov, nos demonstrou que através do reforço negativo ou positivo conseguimos aprender ou ensinar qualquer coisa a qualquer um.

Os ratinhos brancos de laboratórios “sabiam” que existia duas alavancas na gaiola em que eram colocados após x’s horas sem água e assim que entravam na caixa experimental rapidamente se dirigiam a alavanca certa. Afinal já haviam entendido que a outra estava seca.

É o mesmo princípio que é usado nas redes sociais, não duvide nem por um momento disso. Nos condicionam para clicar ‘like’ ou não a cada post que recebemos, sejam da nossa rede ou da rede dos  “amigos” que nem sempre conhecemos. 

Mas como sempre precisamos de ‘likes’ o tempo todo corremos atrás deles, quem não gosta de receber ‘likes’ quando posta alguma coisa em qualquer lugar da rede. Lembre-se de que quando era criança recebia ‘likes’ da mamãe também sempre fazia algo que estava de acordo com o ensinamento dado por ela. Na escola recebíamos ou recebemos ‘likes’ dos professores, na minha época tinha a estrelinha, tirar 10 era uma coisa, agora 10* era o máximo. 

Somos todos condicionados e queremos mais é receber “likes e mais likes” por todas as coisas que fazemos. Só que no momento as redes trouxeram algo extra e imediato que dá aquela levantada em nosso astral, logo nos submetemos. 

Não é crime querer atenção ou gostar de atenção e problema que estes ex-funcionários das redes sociais levantam é para que passemos a pensar a respeito deste assunto; assim como ter consciência de com nos conduzem estes poderosos instrumentos da internet. Mais nada! 

Se a Autoestima esta somente ligada aos “likes da rede”, isso é um sinal perigoso. Afinal para ter Autoestima equilibrada é preciso olhar para para dentro de nós e não para o que dizem as redes sócias sobre nós. 

Da mesma forma não podemos pensar que a “vida” que o cola nestas mesmas redes seja só sorrisos e comidinhas legais, brincadeiras e passeios em lugares de arrasar.  

Vovô e Vovó

imagesSA4QBKLM Amor dos avôs!

Um amor, sem dúvida… mas no mínimo diferente.

Que amor é este afinal, tão diferente e tão igual?

Talvez porque estejam amando desmedidamente pela segunda vez!

Tão intenso como mãe quando da primeira vez

e tão imenso e descomprometido como avó na segunda vez!

Hum…será mesmo???

Tão longe e tão perto, de repente?

Vamos lá…

Uma lenda, esta é de fabricação familiar – daquele tipo que crescemos ouvindo, e que não se não pode ter certeza total, pois lenda pessoal é formada por um punhadinho de lembranças, de um apanhado de verdades e pitadas de imaginação nossa e do “entorno”. Afinal cada um que conta a história para a criança conta com suas próprias impressões dos fatos e lendas pessoais também, daí o “imbróglio”.

O certo é que eu sonhava com uma avó, procurava por uma avó, e que com este desespero para ter uma avozinha chamava as amigas das minhas tias mais velhas de avó. Mesmo que nem fossem ainda senhorinhas, com idade para serem avós!

Parece que perguntava se era a minha avó. Então em um conselho de família para resolverem estes vexames simplesmente apelidaram a irmã mais velha de minha mãe de Avó. E assim meus grilos com a falta inconcebível de avó passou. Finalmente tinha uma para chamar de minha!

Tal a importância desta figura na vida de todos, que resolvi escrever sobre elas nesta data que se comemora o dia não das avós, mas dos avôs também. Para quem não sabe ou não lembra a aniversariante do dia 26 /julho é Santa Ana avó de Jesus. E São Joaquim o avô. e neste domingo comemoramos os dois juntos. Diz a folhinha!

De lá para cá já vi muitas avós, e avôs! Aqueles seres que realizam sonhos, já que a responsabilidade de criar, educar etc… é dos pais!

Por isso, os avôs se divertem mais e são leves no trato com crianças embora tenham seus limites, as avós por sua vez, tem outra postura, claro enxugam a baba “bem rapidinho”, para que possam ajudar com o bebê.

Porém algumas dessas avós começam ficando apavoradas com a possibilidade de não terem o mesmo coração amoroso e pronto para tudo que der e vier para os netos do mesmo modo que tiveram para os filhos.

O medo do novo, aquele que sempre nos assusta seja lá em que assunto for, e aqui porque deveria ser tão diferente? Afinal o bebê nunca viu a avó, e a pergunta é a mesma: – será que irá gostar de mim como avó? Será mesmo que existe isso de amor à primeira vista entre bebês e avós? Não deixa de ser um novo encontro. Será que vai gostar desta figura? Será que vai rir ou chorar ao vê-la?

Agora cá para nós existem avós que parecem ter nascido para tal, o papel lhes cai muito bem, como “papinha e fome”. São muito animadas e capazes de brincar e bagunçar como só mais uma das crianças. E não exatamente como uma “senhora de idade”, uma avó. É muito divertido ver isso e ouvir estas histórias entre netos, netas e avós.

Parece que sempre tem algo de inesperado, nelas tanto para as crianças como para as avós; que com mais experiência e visão de futuro, estas adoráveis criaturas podem ensinar com mais facilidade submetendo-se às brincadeiras do que quem precisa educar “vigorosamente”, onde existe “certa tensão no ar”.

O cuidado que todos os avôs precisam ter é do “Bubble Filter”, ou seja, ficarem obsecados pelo assunto, e a vida passar a rodar só dentro desta bolha que é o mundo dos netos. Se acabarem por esquecer todos os outros assuntos pertinentes a vida adulta acabam por se tornarem sem vida própria e quando ficam sozinhos se sentem vazios e cada vez mais necessitam de novas “coisinhas, “fotos e fatos”, gracinhas e gracejos, babinhas e tudo mais e mais, insistente e incessantemente de novidades dos bebes, o que nem sempre é possível por parte dos demais.

Isso pode se tornar muito doloroso, sofrido, angustiante, causando dor ao invés de trazer a alegria esperada só acrescenta aquela pitada de aflição diária, quando se espera notícias que não chegam.

A grande sacada afinal é apenas lembrar-se da necessidade de continuar tendo a vida que é sua, acrescida de uma  nova vida!

Ternura – É a formulação das Essências D’Água que vai manter seu coração batendo no ritmo e seu pensamento equilibrado, com paz interior mesmo sem tantas notícias, mas mantendo os corações em tamanho gigante para ambos!