Blog das Essências
Blog das Essências
Blog das Essências

LOUCURA ANUNCIADA

Loucura Anunciada!

Google imagens

Ou seria melhor dizer – Brasil! Uma loucura…há muito anunciada!

Depois de algum tempo sem ver e ouvir telejornais, resolvi assistir. Nossa, fiquei de boca aberta. Foram tantas as notícias chocantes que me arrependi.

1º foi o decretado a privatização de partes do SUS proposta pelo presidente, pensei Jesus deu a louca em Brasília, e com isso acertado estaremos no fim da picada. 

2º O próprio presidente desfez seu decreto, esta proposta foi assim… – Tipo brincadeirinha… Senhor, tende piedade!

Logo depois o dólar dispara chega a R$ 5.76 – a bolsa despenca tudo por conta da 2º onda do Covid19 na Europa. A Bélgica precisando de leitos na Alemanha por conta do número de internações. 

500 mil casos em 24 horas, agora matando os mais jovens por lá. O “lockdown” é decretado em vários lugares por lá. 

Então quando anunciaram a notícia que uma boca de fumo no Rio de Janeiro, ganhou geolocalização, pensei :- agora danou-se de vez! Só que não, tinha mais.

EUA em uma quase guerra civil;  policiais brancos matam outro negro com 10 disparos, outra convulsão urbana surge, com quebra-quebra e saques por toda parte.

 Em Brasília ninguém faz nada enquanto não liberarem a votação para um 2º mandato do presidente David, que luta sem ‘sua funda’ contra um Golias muito mais poderoso que o de então. 

E no final, ANVISA libera compra de insumos para que a vacina contra Corona vírus seja fabricada pelo Butantan, só que sem a liberação, ou seja, pode fazer aqui, mas não será por isso que lhe daremos a licença, sem que seja resolvida a pendência das pesquisas.

Ou seja, com mais de 158 mil mortes por corona e a tendência de alta em três estados. Nem saímos da 1º onda e já estamos entrando com tudo em outra onda.

Com tudo isso, melhor esquecer os telejornais por mais um tempo. pois com todas estas notícias realmente o mundo esta enlouquecido.  

Enquanto isso a primavera vai se instalando devagar, devagarinho… um dia com temperatura de 32º e no outro depois de uma chuva “tipo de verão”, a temperatura cai a 19º ou menos,  e é preciso usar a mantinha novamente.

A pergunta é:- Precisamos de mais alguma coisa para enlouquecer, durante esta pandemia? Ou seria Pandemônio estruturado do BR?

Ansiedade, Medos e Horror

Ansiedade, Medos, e logo depois o Horror!

Assim nos acontece, primeiro surge certa dose de ansiedade, ao cair da tarde, afinal o que ronda em volta na noite escura é a figura do lobo. Logo depois dela, a ansiedade, vem uma boa dose dos medos, afinal lobos sempre são vistos com “maus”. Então o horror de tudo toma conta, sem que percebamos mais, onde um começa e acaba o outro. 

Então vamos ver uma a uma para podermos dissipar confusões. 

Primeiro a Ansiedade, ela nos leva adiante, por ansiar melhorar as coisas é que trabalhos, aceitamos novas incumbências, cargos, posição e daí por diante. Então algo que nos leva à diante, não pode ser de todo ruim. Estar atenta a ela é o que nos salvam de agonizar e não nos leve a “morrer na praia”, por mais bonita que seja ela.

Segundo os Medos, este como um sinal de alerta, um pisca-pisca que nos chama atenção, nos faz olhar atentamente algo que esta na nossa frente. Caso não tenhamos Medo, nossas vidas correriam mais perigo, e desnecessariamente. Pergunte por quê olhamos dos dois lados da rua, antes de atravessá-las? Muitos são nossos medos que nos deixam viver mais e melhor, sem dúvida. 

O Horror, a temeridade que nos leva a beira da loucura. Este me parece sempre uma venda que nos impede de olhar e ver o que realmente pode fazer a diferença. Principalmente nos dias de hoje, dias de COVID19, dias de Pandemia, dias de confinamento.  

Para ver a floresta é preciso olhar além de uma única árvore.

Se não dermos atenção ao todo que esta acontecendo, estaremos fadados ao insucesso; ficaremos sim, presos a uma única coisa, numa visão pequena das coisas.

Olhar para além do muro – para além do isolamento, só assim, poderemos ter uma maior visão deste todo, deste tudo que nos cerca.

O que mais nos acontece além do isolamento social? Tem muita coisa acontecendo em nossas vidas amiúde, no dia a dia, 

Aqui o que acontece é que nossos sentimentos, nossas emoções estão sendo checadaspor exemploentre amor e ódio. Amor à vida! Ódio pelo que me prende em casa! Este mal-estar que nos consome, querer ou não querer;  proteger-se ou arriscar-se. Então surge estas outras questões – Arriscar os meus!? Proteger os meus!? 

O “resto do mundo” bate à nossa porta. Empatia e Compaixão! O que fazer com estas coisas!? Afinal quem vai fazer parte da minha conta?! “Estas coisinhas” incomodam. É verdade os Outros Incomodam! Pensar nos demais é chato mesmo, nossa humanidade ou desumanidade, vem à tona.

Nesta Pandemia ou em outras situações que precisamos pensar no todo; nos demais, aí aparecem as ansiedades, medos, e todos os horrores, pois nos fazem pensar, afinal, qual o meu papel em tudo isso? 

Por isso, descobrir um Culpado, é importante e ele leva tudo! Quando encontramos “o culpado” nossa raiva irá toda para ele. Focar nesta criatura toda nossa fúria nos deixa afastados destas coisas que incomodam. Ao mudarmos o foco, tiramos o olhar das nossas coisas e passamos para o outro ou para os outros, desviamos nosso olhar, tiramos a apreensão em relação ao que vai acontecer como a minha atitude e passo a avaliar a atitude ou comportamento dos demais. 

A pergunta que fica é o que fazer com a ansiedade, medo e horror de se estar vivo. Pois é disso que se trata. Viver é perigoso, atinge direto a nossa ansiedade, o que nos dá medo, e invariavelmente alguns nos colocam em perigo iminente como neste momento que o mundo atravessa, e isso pode nos fazer temer pela nossa vida. 

Aterramento é uma opção. Informação é importante nesta historia toda. Nos ajuda pensar, e verificar os fatos. Assim como conhecer bem o que estamos sentindo. Aprender a pensar e separar o é meu e o que não é, nos deixa pisando em terra firme, conscientes e fortalecidos do que é nosso e do que é dos outros. 

Separar o joio do trigo, o que serve e para que serve, ‘esta ou aquela’ opinião, este ou aquele argumento. Verificar primeiro a fonte, ‘de onde vem e de quem vem’ tais notícias. Para não se deixar levar e  para não enlouquecer. Para Não colocar mais combustível na própria fogueira da ansiedade.

FINADOS – Dia dos Finados! Dia dos Mortos!

 É o dia celebrado pelo catolicismo em 2 de Novembro, para se homenagear as pessoas falecidas os fiéis mortos.

Podemos olhar por vários ângulos a “sofrência” que se instala perante a morte dos nossos entes queridos. A começar pela forma familiar em que somos criados vendo o desenrolar destas situações dentro de nossa própria vidinha em família desde pequenos. Pelo simples fato de vivenciarmos os “dramas ou não” que os parentes fazem quando ocorrem os falecimentos no núcleo doméstico durante a nossa formação.

Quanto mais difícil for o sofrimento e longa a elaboração do luto neste núcleo familiar mais pesaroso será para as crianças também. Pela literatura e nas cinematecas podemos ver melhor como o luto era ‘tratado’ nos anais da história, pesados vestidos negros, casas sem luz e quase sem vida também, filhos que deixavam de frequentar bailes e outras festividades e assim por diante. Um pesar cheio de dor interna e externamente mostrado.


Isto fazia parte da cultura ou das culturas, cada uma das sociedades tem seu jeito e modo de encarar a morte e como enfrentar a ausência daquele que partiu.

Partilhamos e fomos deixando esses “modos” de sofrência para lá, talvez a vida agitada foi nos dando outras formas de cultuarmos nossas dores e ausências de outras formas. São poucos que ainda frequentam os cemitérios com certa regularidade. E mesmo nas datas mais marcantes tenho visto muitos túmulos sem aquele preparo que antigamente se faziam.

Semanas antes de finados por exemplo, havia certo ‘frenesi’ para saber quem ou se era preciso lavar ou pintar ou ainda dar uma ajeitada no túmulo, hoje com os PAX da vida, e da morte, melhor dizendo; que são os cemitérios gramados este hábito familiar acabou ou quase. Talvez ainda levem flores, ou cheguem até lá para lustrar as pequenas plaquinhas com o nome do finado.

Assim como levar ao cemitério bebidas e alimentação, música, como também se fantasiar para a data de finados, e ir até os túmulos e fazer verdadeiras refeições festivas como é no México e que se tornou parte de alguns roteiros turísticos deste país. Desde o aeroporto da capital – Cidade do México existem restaurantes, muitos, com “esta pegada”, o que atrai o cliente para tirar as fotos e selfies com as caveiras todas enfeitadas e festivas e o turista acaba ficando.

O certo é que de um jeito ou de outro com túmulos, cemitérios gramados, urnas com as cinzas dos que foram cremados, sempre teremos nossos mortos em algum lugar físico ou no coração para chorar e lembrar.

“Alguém tem de morrer para valorizarmos a vida”!

Colocaria um sinal de interrogação, mas como ouvi isso em algum lugar, e não sei onde e nem ao menos quem foi que disse. Mas tenho certeza que não podemos pensar e agir desta maneira em relação à vida. Valorizar a vida contudo é uma opção, e, cada um precisa parar, pensar e escolher o que irá valorizar na sua vida. Todos temos liberdade para isso.

O que importa na vida e para a vida de cada um, é uma escolha sempre; como qualquer outra coisa que nos fala tão de perto, afinal saúde é um apanhado de itens não apenas físico mas também emocional, mental, assim como espiritual. Por conta disso, cada opção que fazemos tem que ser feita antes de tudo, com muita consciência.