Blog das Essências
Blog das Essências
Blog das Essências

Luzes de Natal e os vagalumes

Vagalumes de hoje … Vagalumes de ontem….

Quem teve a sorte de nascer há mais tempo, como eu e viver em uma cidade pequena para a época, quando ainda existiam muitos pequenos sítios e chácaras próximas do centro da cidade. Viveu coisas que talvez hoje seja mais difícil viver. 

Nestas chácaras podíamos passar o final de semana com segurança e passear por trilhas e estradas de terra muitas vezes cheias de barro vermelho no qual era possível até mesmo brincar de fazer bonequinhos com a lama.  

Nas noites calmas e ouvindo apenas o “piar das corujas” , o “coaxar dos sapos” após a chuva e o “canto das cigarras” nas plantas que faziam parte do jardim em volta da casa, criávamos passatempos interessantes. Um deles era colar num álbum folhas que durante o dia pegávamos das arvores, e descrevíamos as características da árvore desta folha, como era seu fruto, cor, o cheiro, e tudo que poderia nos ajudar a identificá-las 

Só que quem como nós tiveram o privilégio de ter um avô bastante animado e criativo, tinham outros afazeres além de colar folhas. Nosso avô nos levava até o portão do sítio para passar a corrente e o cadeado. Mas, antes disso ficamos brincando no escuro, com apenas um facho de luz da lanterna, e às vezes a luz tênue do poste estava acesa isso nos permitia ver e “caçar vagalumes” para colocá-los em um vidro. 

Ele com quase seus oitenta anos, ficava sentado em um banquinho enrolava lentamente seu cigarro de palha de milho e o fumava ao ar livre, enquanto os netos faziam suas experiências com a luz própria dos vagalumes que conseguíamos colocar no vidro. 

Saudade imensa desta época. São muitas as ausências tanto do Vô Pedro, dos irmãos, assim como dos fantásticos minúsculos e brilhantes vagalumes, que hoje nem sei se ainda voam por aqui. Neste Natal 2021 caminhando pelas ruas de Sorocaba, muito maior e movimenta que a cidade da minha infância, uma coisa chamou a minha atenção. Uma coisa boba tipo deste enfeites de luzes para alegrar o Natal, um arame muito fininho com micro luzinhas para criar e enfeitar o que a nossa criatividade permitir.

Comprei um destes ‘arames’ e ao chegar em casa coloquei dentro de uma garrafa, e ao acendê-la voltei no tempo e me lembrei dos vagalumes de ontem, mesmo não tendo encontrado este arame luminoso com luzes verdes que depois fui procurar. Não pude deixar de pensar que estava reeditando “a lanterna dos pequenos vagalumes de outrora”. Sendo assim recebi um presente de Natal inesperado a lembrança boa de uma infância carregada de emoção, de abraços, colos e muitas aventuras vividas com este avô. 

Com tudo isso sou grata ao Universo pelo presente de hoje e pelas vivências de ontem.

O DILEMA DAS REDES

Este é o documentário do momento, esta fazendo sucesso pois alguns dos ex-funcionários das mais famosas e poderosas redes sociais resolveram contar como é feita a manipulação por trás destas firmas.

Somos suscetível a todo e qualquer tipo de atenção, afinal desde o nascimento até um bom tempo depois, precisamos das relações humanas para sobreviver. Ficamos muito tempo ‘na mira’ direta de quem nos dispensa muito tempo e atenção para que possamos ter conforto físico e emocional; seja pelo alimento, sono, asseio e boas doses de carinho e afeto. 

Na maioria das vezes é justamente através da atenção que nos dispensam que nos tornamos seres sociais, nos reunimos desde sempre em grupos para uma infinidade de situações. Isso desde que o mundo é mundo. 

Neste documentário estes ex-funcionários e mais alguns tantos professores de comunicação e informática nos contam que as redes sociais usam o mesmo procedimento. Afinal têm sistemas operacionais que “sabem”o que nos chama mais atenção e assim providenciam tais coisas.

Por exemplo, quem nunca passou por isso – se nos detemos pesquisando valores de uma torradeira, misteriosamente todas as lojas que vendem este tipo de torradeira começa a enviar vários modelitos e preços desta mesma torradeira.

Estas redes sabem de tudo, até mesmo o que não gostaríamos que ninguém soubesse. As explicações dadas por eles é simples o tempo de atenção que precisamos. 

Dá mesma forma quando damos um “like” em um determinado assunto, somos “fisgados” e passamos a recebem temas relacionados a ele.

Os atrativos que nos detém por mais tempo ligados na rede para eles é ‘dimdim’ no bolso, e nós ficamos cada vez mais presos, nestas redes de identificações.

É na verdade um mundo mágico que existe por trás destas redes sociais, que ao mesmo tempo nos dão muita atenção através dos “likes” que recebemos daqueles que fazem parte da minha, sua e nossa rede pessoal, ou através destes ‘posts’ que aparecem enquanto estamos navegando.

O incentivo para cada um é a atenção que nos dispensam, para eles da redes é o quanto somos capazes de adentrar neste emaranhado de grupos e assim nos perpetuamos plugados naquilo que eles indicam.

Ivan Petrovich Pavlov, nos demonstrou que através do reforço negativo ou positivo conseguimos aprender ou ensinar qualquer coisa a qualquer um.

Os ratinhos brancos de laboratórios “sabiam” que existia duas alavancas na gaiola em que eram colocados após x’s horas sem água e assim que entravam na caixa experimental rapidamente se dirigiam a alavanca certa. Afinal já haviam entendido que a outra estava seca.

É o mesmo princípio que é usado nas redes sociais, não duvide nem por um momento disso. Nos condicionam para clicar ‘like’ ou não a cada post que recebemos, sejam da nossa rede ou da rede dos  “amigos” que nem sempre conhecemos. 

Mas como sempre precisamos de ‘likes’ o tempo todo corremos atrás deles, quem não gosta de receber ‘likes’ quando posta alguma coisa em qualquer lugar da rede. Lembre-se de que quando era criança recebia ‘likes’ da mamãe também sempre fazia algo que estava de acordo com o ensinamento dado por ela. Na escola recebíamos ou recebemos ‘likes’ dos professores, na minha época tinha a estrelinha, tirar 10 era uma coisa, agora 10* era o máximo. 

Somos todos condicionados e queremos mais é receber “likes e mais likes” por todas as coisas que fazemos. Só que no momento as redes trouxeram algo extra e imediato que dá aquela levantada em nosso astral, logo nos submetemos. 

Não é crime querer atenção ou gostar de atenção e problema que estes ex-funcionários das redes sociais levantam é para que passemos a pensar a respeito deste assunto; assim como ter consciência de com nos conduzem estes poderosos instrumentos da internet. Mais nada! 

Se a Autoestima esta somente ligada aos “likes da rede”, isso é um sinal perigoso. Afinal para ter Autoestima equilibrada é preciso olhar para para dentro de nós e não para o que dizem as redes sócias sobre nós. 

Da mesma forma não podemos pensar que a “vida” que o cola nestas mesmas redes seja só sorrisos e comidinhas legais, brincadeiras e passeios em lugares de arrasar.  

Casinhas nas ruas – parte #1

 São Paulo e suas pequenas casinhas!

Já faz um tempo que não andamos muito “soltinhos” por aí, sempre com muito cuidado por conta deste vírus, que se nos pega pode ser desastroso.

Mas… finalmente puder caminhar um pouco pela região onde moro, e me deparo com umas casinhas amarradas em postes, numa rua uma, outra rua outra.

Parei para fotografar esta segunda casinha. Um senhor que também caminhava, separa até que eu acbe de tirar as fotos, e claro começamos a conversar sobre o assunto.

Segundo este caminhante do bairro de Pinheiros, existe uma ONG que ajuda ou faz estas casinhas e doa para os moradores de rua. Tem corrente, cadeado e mais corrente para prendê-la aos postes. São de folhas de madeira finas mas muito bem feitas. Na foto da para ver. 

O dono e habitante não estava por lá, para me contar como é que isto funciona. Apenas sua moradia e o carrinho de seu trabalho na coleta de recicláveis, por onde quer que vá.

Uma forma criativa de ficar instalado pela grande cidade. Sem que frio da rua suba pela costa ao se deitar. Longe dos bichos das calçadas que devem perturbar muito que se encontra nesta situação. 

Agora que sei por onde estão estas pequenas moradas, vou tentar encontrar algum dono e propor uma conversa para saber mais e melhor deste arranjo.

Contudo nas praças da cidade existem barracas de camping com famílias inteiras convivendo por lá. Na região do Ceagesp e na Praça Apecatu é um bom exemplo disto, próximo da ponte das Bandeiras também se vê muitas barracas e acampamentos.  

Pelo tamanho que vemos na foto, quando muito deve dar apenas para um colchão se é que o tem ou se é apenas um monte de caixas de papelão forrando o chão da casa. Penso que não deve ter destas tamanho  – “família”, penso que apenas para uma pessoa ou casal.

Assim que fizer contato com algum dono de uma destas casinhas, escrevo mais detalhes sobre o assunto. Até lá prestem atenção pelas ruas de SP para encontrarem as outras tantas que podem estar acorrentadas em algum poste por aí.

NÓS E A MACARRONADA!

Esta figura me veio à cabeça quando pensei escrever sobre nossos laços de família. Várias são as razões, uma delas é claro que é por macarronada ser uma das possibilidades do cardápio de almoço de domingo na casa dos pais.

A outra que mais chama minha atenção é a forma com que o pegador de macarrão junta os fios do macarrão. Quando fechamos o pegador, sempre vem um monte de fios juntos. Um grande emaranhado se forma. Da travessa até chegar a cada prato, formam aqueles rabichos que torna bem difícil não fazer uma verdadeira ‘mixórdia’ na toalha da mesa.

Tanto que em casa se dizia que toalha de mesa para macarronada só se usa uma única vez, pois com certeza alguém sempre deixa pelo menos um fio de macarrão cair sobre ela.

Quando penso em família e familiares esta imagem sempre me vem à mente. Este aglomerado de gente que a família é e como tem sempre algum rabicho que está meio lá meio cá. Saindo ou entrando dela.

Lógico que formamos ‘em família’ aquele quase que intermináveis almoços de domingo, quando a macarronada é posta à mesa e os grandes debates começam a surgir.

Não importa muito qual o assunto que irá rolar, pois sempre aparece um ‘certo’ detalhe no qual toda uma grande assembleia familiar se forma, e a tarde toda se vai, em inúmeras opiniões e ‘disque-disque’ disse me disse que muito dificilmente se resolverá alguma pequena coisa.

Mas sem todo falatório no almoço de domingo enquanto rola a macarronada isso seria deixar a família de fora de tudo que é assunto de família. E aí que graça tem ter família sem ter estas tardes de domingo e os temas mais eletrizantes da nossa vida discutidos entre uma ‘porpeta’ e outra.

Na adolescência e juventude frequentei inúmeras macarronadas em família nós todos, primos e primas, pais, tias e tios sempre entravamos e grandes confusões como a compra de um carro novo, outra viagem, namorados, casamentos, na verdade eram assuntos diversos, porém sempre davam margem para os longos debates durante a macarronada.

Palpites, histórias antigas, porpetas – almôndegas – e macarronada são elementos que dão um bom molho para as tardes de domingo. Para mim macarronada combina com conversas, risos, gargalhadas, discussões e mesmo as eternas implicâncias entre os adoráveis parentes. Tudo pode acontecer durante um almoço destes

Até mesmo uma piada que vinha escrita no papelzinho para não esquecer, e só por isso já era hilário o suficiente para mais e mais gargalhadas., afinal ler passo a passo uma piada entre uma garfada e outra, não tem como não rir.

Comunicação, é em família que começamos a aprender e a perceber a importância das palavras e como é possível mesmo dentro desta confusão aprender sobre empatia e sentimentos, e o mais importante respeito pelo livre pensar de todos.

Cores do Mar … Festa do sol

Estou dando o nome neste texto com um pedacinho de uma música linda, de João Bosco, chamada Papel Machê. Então vamos lá. Todo mar tem suas cores e nuances diferentes, dependendo da pouca ou muita profundidade e mesmo da distância em que estamos quando olhamos para ele.

Também tem muita relação com a hora do dia, luz do sol, tipo sol a pino, cair da tarde, pôr-do-sol e na negritude da noite fica escuro como o céu sem luar e por aí vai. São vários os fatores que ocorrem para dar as águas marinhas tantas possibilidades. De tons e cores variados, não sei se a salinidade ajuda nisto também. Talvez com as grandes quantidades de água. Como por exemplo em mar aberto as águas sempre parecem mais para o tom azul marinho (escuro), porém sempre que a olhamos mais próximo de costões estão mais pretas, ou quando em grandes extensões de areia mudam para incontáveis tons de verde, azul, turquesa e por aí afora.

O certo é que bem pouca gente deixa de se encantar com tal beleza que ele nos apresenta. Tem explicações que a biologia marinha também nos dá, o que pode nos ajudar a entender de onde vem tanta boniteza.

Conhecendo pessoas que sabem sobre o assunto veja como funciona; um amigo e doutor em Biologia Marinha me ajudou e escreveu a meu pedido esta explicação “As águas do mar do caribe são azul turquesa devido sua limpidez e a coloração clara de suas areias. Segundo a física, quando a luz solar atinge as águas ela é refletida e parte dela penetra nas águas interagindo com suas moléculas.
Esse fator é também influenciado pelos microrganismos, (micro-organismos = microalgas), presentes no mar, por isso, em alguns locais ela fica esverdeada, quando entra em contato com a matéria orgânica de coloração amarela, ou seja, a mistura do azul com o amarelo”.

Sem pensar nos muitos litorais’ do mundo, o que vale a pena pensar e ver é que temos aqui no Brasil; uma costa marítima de muitos quilômetros. Vejamos, pelo Google, nosso país tem 7.367Km, banhado a leste pelo oceano Atlântico. O contorno da costa brasileira aumenta para 9.200Km se forem consideradas as saliências e reentrâncias deste mesmo litoral. A costa brasileira ou seja o nosso litoral é extenso e pouco recortado. Todo ele com boas chances de apresentar tons de azul e verde maravilhosas.

Penso que todos já viram o mar com muitos tons de verde, esmeralda, azul e outros tantos, muitos de nós devem ter fotos onde estes tons foram capturados e deslumbram qualquer um que olhe para estas fotos, assim como exercem certa magia para quem olha para suas águas ao vivo.

Água sempre foi um atrativo em potencial para mim desde pequena, difícil resistir ao chamado dela, me ensinaram a nadar bem nova e enquanto não ficava pronta para tal e para evitar maiores problemas amarravam uma boia de cortiça, na época era o que existia; e assim eu podia ir até as ondas, só até a terceira onda.

O mar sempre muito grande e apaixonante à minha frente. Quando não era o mar, era a piscina, rio ou o lago, se tinha água por perto, pronto o imã já estava me atraindo.

Meu signo é do elemento água, logo acabar me tornando mergulhadora e tempos depois me tornar a sistematizadora das Essências D’Água era mesmo uma questão de tempo.

Muita gente pergunta como se coleta a água dos animais marinhos, mesmo que conhece as essências florais acaba intrigado de como isso acontece. Pois bem nos três livros conto tudo isso em muitos detalhes, aqui vou contar só uma palhinha.

Como já esta no forno o primeiro livro infantil e é sobre a Matriarca do Sistema D’Água as Baleias em Abrolhos, escrevo aqui para vocês sobre como foi coletar a água com a energia e vibração destas gigantes e maravilhosas criaturas.

Tive motivos para ir até Abrolhos como, por exemplo, pensar que as Baleias, vão para lá e ficam meses sem comer pois neste lugar onde as águas são quentinhas e rasas não tem krill um mini camarão que na Patagônia é abundante; só para ter seu filhote e cuidar dele. Que outra baleia fica bem por perto quando o bebê esta nascendo, para ter certeza que ele vai conseguir ir até a flor dágua para respirar. Que ali naquele lugar, se parece com um berçário e um jardim da infância para que os filhotes se preparem fisicamente para conseguirem chegar bem lá no polo sul.

Então estes sinais me mostravam variações de como ocorre com estes enormes cetáceos a ‘maternagem’ e a maternidade entre elas. E como esta energia que as orienta e a fazem manter a dura estadia para dar cabo em sua missão de se tornar mãe, pode nos ajudar a equilibrar e por vezes restaurar o ânimo, emoções, sentimentos, força psíquica e tudo mais. A alegria de estarmos lá junto com todas elas é contagiante, aproxima pessoas que não se conhecem e um clima amisto, cooperativo se instala.

Desta forma não tive outro jeito, precisava mesmo trazer toda aquela vibração para pelo menos tentar, testar em local que estas emoções não aparecem tão facilmente.

A Essência funcionou, pessoas de diversas funções experimentaram e todas responderam de acordo com a vibração e energia que coletei bem em meio das águas daquele “berçário” que é Abrolhos.

Estas fotos são um presente das cores que o mar é capaz de assumir para nos deslumbrar.

Coisas da Alegria, coisas da vida!

Temos certas coisas na vida que não mudam nunca. São coisas simples que existem desde que o mundo é mundo e pode ser em qualquer lugar dele.

Presto muita atenção quando viajo para qualquer, faz parte de tudo que sempre me chama atenção, e com tanto tempo de estrada dá ter uma ou umas palavrinhas sobre as crianças pelo mundo, vivendo suas vidinhas com toda a graça e muita luz que crianças têm ao brincarem juntas.

Quando vi estas crianças da foto brincando na água de um rio no interior do interior de um país bem longe de tudo; este da foto tirou a roupa e entrou ao encontro dos demais, Isso fez passar um filme na minha cabeça lembrando todos os lugares em que passei e vi esta mesma cena tantas e tantas vezes, simplesmente não teve outro jeito a não ser fotografar e agora poder escrever sobre isso.

São mágicas as cenas que podemos ver e ao ouvir entre gargalhadas e brincadeiras que se propõem a fazer quando estão juntos. Na água parece que estas cenas de alegria se intensificam e tornam ainda mais gostosas tanto para as crianças que se divertem como para quem quer que seja que assiste ao espetáculo que as crianças dão ao brincarem espontaneamente.

Sem se importarem com que assiste as cenas ou quem mais vai entrar no rio, na água turva e até fria do final do dia. O que mais querem é brincar, querem mesmo é ser feliz, se não percebem os problemas de escola ou sociais, diferenças culturais, e tudo mais que esta acontecendo fora do leito deste rio, naquele momento, pelo menos naquele exato momento não dava para perceber se outra coisa no mundo passava por lá.

Mas isso também acontece quando jogam bola ao ar livre ou pensam que estão voando sobre a bicicleta, no skate, patins e qualquer outra brincadeira que os deixem neste estado de graça que transborda alegria e felicidade.

Certas vezes, nós adultos também nos soltamos e nos sentimos assim, numa transbordante taça de champanhe chamada alegria, quando estamos realizando algo que estava só nos planos por anos. Ou ainda em situações mais simples como conseguir uma reunião com amigos de longa data ou caminhar em grupo por uma boa causa.

Alto Astral

Como passar o Natal e entrar no novo ano com… no mínimo Alto Astral?

Podemos sempre repensar conceitos e olhar as coisas de outro modo, indo atrás daquilo que é realmente necessário.

Todo final de ano nos leva a fazer reflexões sobre as propostas que elaboramos para este ano que se encerra e muitas vezes encontramos uma lista das coisas que deixamos por fazer; e ao checar o que foi realizado descobrimos que muitas propostas não saíram do papel. Certa sofreguidão acontece neste instante por não ter dado conta de executar o planejado.

É quando dizemos para nós mesmos “deixa para lá”, só que isso acaba dando a impressão ‘ficar devendo’ para nós mesmos. Ok, só dar de ombros não vai nos ajudar a construir uma vida melhor. Certamente deprimir por conta disso também não o será. Como resolver esta questão?

As Formulações das Essências D’Água podem auxiliar para que você olhe com outros olhos este mesmo ponto. Vamos lá. Começaremos deixando o nível de criticas o mais real possível sem que tenhamos de tirar pedaços de nós mesmos. Ter consciência de nossas falhas e dos pontos a serem melhorados ajuda muito aqui.


AUTOESTIMA 
é a fórmula que irá trazer esta possibilidade à tona. Equilibrando os pratos da balança. Pés no chão, aterramento é vital para rever o que de fato foi feito e o que foi deixado para lá, e por que foi assim. Abrir espaço para verificar o porquê nós não cumprimos a lista na totalidade é fazer as pazes conosco. Esta formulação abre espaço para clarear os pensamentos.

Outra possibilidade de composto das Essências D’Água para atravessar o Ano de Bem conosco e com a Vida é SUPERAÇÃO. Viver é enfrentar desafios, frustrações e permanecer inteiros e melhorados a cada vez.

Resiliência é isso, é a capacidade ‘elástica’ de recuperação que nós temos e / ou desenvolvemos. Isto certamente nos fortalecerá. Afinal aumentar o limiar de frustração é sempre crescer como pessoa. Acreditar que somos capazes de superar os ‘ataques infantis’ e assim começamos a entender que “nem tudo é exatamente como a gente quer”!… E acredite vamos sobreviver.

Uma vez que se consegue superar estes entraves que nos fazem ver cara a cara nossa humanidade, ou seja, a dificuldade que temos para aceitar tudo aquilo que não dá certo quando assim queremos. Podemos dar novos passos para seguir até chegar ao alto astral.

A formulação MATURIDADE pode nos levar a pensar nas experiências que já tivemos e assim facilitar dia a dia. Rever nossas conquistas nos torna mais confiáveis, afinal nossa história é o que somos. Com os acertos e as tentativas que falharam também, mas nos coloca de frente com nossas reais possibilidades.

SERENIDADE é um composto que traz uma outra possibilidade, porque nos tira deste estresse de final de ano, que todo ano, quase nos enlouquece. Se baixarmos o nível de ansiedade já estaremos mais livres para ponderar com consciência o que realmente dá para ser feito.

Vejam bem, nem sempre é necessário tomar todas estas fórmulas, se colocar a cabeça para pensar cada um chegará ao seu problema base e então escolher qual delas será melhor para si.

Agora, vamos pensar na formulação que nos abre o caminho para o Alto Astral total, SUCESSO, esta fórmula traz uma proposta para quebrar a cadeia de pensamento que não nos deixam decolar e alcançar nossos sonhos.

SUCESSO é uma das fórmulas que pode fazer com que cada um de nós possa quebrar certos paradigmas “paralisantes” e assim chegar onde queremos – naquele lugar que sabemos ser nosso lugar, o lugar que sonhamos, pensamos e agora esta em vias de realização.

As Essências D’Água deseja a todos os clientes e amigos um Natal de Luz e um Ano Novo com as realizações desejadas!

“Família é como ‘varíola’, se tem na infância, fica marcado pelo resto da vida.”

         o sei quando J.P. Sartre escreveu ou disse isso. Mas com certeza família é um caso sério há se pensar sempre. Enquanto somos crianças e adolescentes, ainda parece pior este caso, e quase impossível levar adiante, de ultrapassar a fase.
São tantas as raivas de um para o outro, 
e o tempo que se arrasta parecendo não querer andar nem mesmo um pouquinho mais depressa para nos levar direto até as portas da liberdade, ou seja, a porta da rua!
Mas quando alçamos voo afinal, uma das primeiras coisas que providenciamos é formação de nossa própria família. O que se passa conosco, afinal?!

Com o tempo e principalmente com a distância dos ‘horrores daquela época as idéias vão entrando no eixo. E é bom lembrar que não foi para todo mundo que a família representou uma bomba que explodia a toda semana. Mesmo enquanto estavam crescendo nelas.                   

 O que muda é nossa visão de mundo, e a possibilidade de não estar mais submetido àquelas normas “terríveis” de então. Crescemos e ganhamos o mundo. E como recompensa cada qual poderá formar um novo núcleo familiar com outras ou com as próprias regras se for o caso.

 Nada como a maturidade, para clarear um pouco o papel de cada pessoa nas relações. Tornar-se pai ou mãe então…nem se fala!

Finalmente esta troca de papeis pode ajudar a refazer as mazelas criadas pela educação familiar. Estar do outro lado, vivenciando o outro lugar de autoridade e de responsabilidade muda tudo.
            E o melhor é que podemos fazer diferente se quisermos!
Ou simplesmente repetir e fazer
… “Como nossos pais”… Uma música que quando prestamos atenção a ela faz diferença! Para que não sejamos os mesmos e vivamos como nossos pais. Isso mesmo, aqueles que não nos compreendiam e nós não conseguíamos entender nada a respeito deles tão pouco!

Elis Regina cantou muito esta música e eu cantei muito junto com ela, talvez com um medo enorme de crescer e repetir a dose. Não foi o que aconteceu e não é o que vai acontecer com outras pessoas quando adultos, enquanto adolescente o que queremos é contestar as regras, sem muita ideia do que temos em mãos para colocar no lugar.

Assim as marcas que as famílias nos deixam podem ser revistas, entendidas e até amenizadas com a compreensão que adquirimos refletindo sobre os papeis de cada um dentro do circulo familiar.
O que acontece depois é que se compreendermos – não os nossos pais- mas o papel de cada um, inclusive dos filhos, poderemos compreender uma gama ainda maior de confusões e desafetos que o núcleo familiar gera. Sem, contudo dar origem a maiores desavenças e dores que marcam a ferro e fogo a alma dos que vem a seguir.

Uma formulação das Essências D´Água que irá ajudar a trabalhar estes aspectos familiares e papeis sociais, é:- MATURIDADE – só para citar: um de seus componentes auxilia no despertar da compreensão e sabedoria interna, outro se propõe a facilitar a troca de calor entre as pessoas, e ainda há um que favorece o entendimento e a alegria no exercício do papel de ser um educador; entre outras.
Contudo vale lembrar que essências vibracionais, 
não substituem o trabalho. Com certeza lá irá auxiliar a rever estas marcas profundas, e os estragos, e assim, possibilitar viver com as cicatrizes sem tantos prejuízos.

UMA PULGA ATRÁS DA ORELHA

Quem já não ouviu esta máxima?

Com a pulga atrás da orelha. Podem ser muitas outras coisas também.

Gosto de pensar nesta proposta “metafórica” quando é preciso que as pessoas passem a prestar atenção muita ‘atenção’ em tudo que possa estar pensando, possa estar sentindo ou mesmo onde possa estar querendo chegar.

Estar presente em tudo que seja lugar, sempre presente; sempre atento, sempre alerta como nos escoteiros. Este estar vigilante ao que se esta pensando ou sentindo, pode fazer “maravilhas” por todos nós. Nos tira do estado de inconsciência e automatismo que nos assola quando desatentos à realidade que nos encontramos.

Neste estado apenas vamos respondendo aos estímulos mais nada, absolutamente nada. Tão ruim como um simples estímulo / resposta. Impensado, aparentemente até involuntário podemos dizer a respeito destas respostas automáticas.

Uma pulga bem alimentada, uma consciência bem atenta sobre o que estamos fazendo, pensando, querendo e por aí afora. O que facilita a tomada de consciência é a psicoterapia. No peculiar mexe e remexe das nossas ‘coisas’, durante as sessões de psicoterapia; esta falta de clareza sobre o que realmente se passa conosco vem à tona e então podemos adquiri-la.

A vantagem de ter consciência sobre nossas vontades, medos e mais precisamente de como ‘funcionamos’ em meio a todo burburinho mental que agita a vida é que podemos ter certa lucidez para nos relacionar com o mundo.

Quem não se lembra do Grilo Falante, um personagem bem-humorado e sempre presente da história de Pinóquio, que foi o tempo todo, sua consciência para que as coisas ficassem bem. Bom… quando Pinóquio conseguia ouvir a voz do grilo a lhe falar.

Aqui na nossa história não precisamos dar voz a nossa ‘pulga’; mas quando uma pulga é bem nutrida sempre pode dar uma grande ajuda, com uma pequena picadinha atrás da orelha quando for preciso, e isto pode nos colocar de volta para ficarmos atentos ao que realmente importa – ter consciência de como funcionamos, e então efetuar as mudanças que queremos.

Então vamos lá, alimente sua pulga!

ver a cidade ou será VERACIDADE?

Daqui para frente melhor – REVER A CIDADE – segundo o Mauro Neri.

Se a gente puder ver tanto faz. Tudo que se pode ver na cidade é a própria cidade, que pulsa forte, que fala dela mesma em alto e em bom-tom, em bom som e claro, imagem também.

Conheci Mauro Neri, um simpático artista plástico a quem pedi para me contar sobre sua arte; que muito antes de ter as suas casinhas pintadas de amarelo e marrom em postes e muros, já andava pintando pelos quadros negros das escolas públicas da periferia da grande Sampa. Ensinado para as crianças e adolescentes toda arte para se expressarem através das artes, desenhadas, grafitadas, pintadas ou mesmo rabiscadas nos cadernos. A expressão do sentimento através da arte é o que conta em primeiro plano, me pareceu.

Este professor de fácil comunicação e sorriso largo depois de um tempo levou este mesmo potencial de expressar-se e facilitar aos demais a sua expressão pela arte para as ONG´s que o procuraram para ajudar em suas propostas.

E assim, de lugar em lugar de ajuda em ajuda, de ensinamento a ensinamento, Mauro Neri esta simpatia de professor de artes plásticas foi criando um vasto repertório de grafites e pinturas por toda a parte e podemos ver pela cidade, além de ter despertado tantos outros talentos artísticos por aí.

Foi esta a chamada que desde sempre me falava algo, me chamava a atenção, “Ver a Cidade” ou veracidade, e agora #reveracidade uma proposta que acaba fazendo um ponto de reflexão, para o momento em que se esta, em que se vive e onde nos encontramos, nesta nossa cidade.

Este é Mauro Neri o professor, o artista e o amigo das artes, das cores, por fim o amigo da cidade. Agora ainda mais com as bolsas e mochilas que a mãe de Mauro uma costureira de longa data resolveu desenvolver com o mesmo “logo” que o filho encontrou para ser reconhecido em todos os lugares. A Casinha em Amarelo e Marrom, isso dá para ver na foto que copiei do Instagram  do artista. Tem bolsas e mochilas em todos os tamanhos, mas as cores permanecem as mesmas, pois é parte da marca.

– “Ver a cidade” – Em exposição na Galeria MMarts – na Vila Madalena –