Blog das Essências
Blog das Essências
Blog das Essências

Mamãe e seus 100 anos!

Para e por Lulu Moreira, minha mãe que faria 100  anos este ano, uma mãe do signo de escorpião, professora de desenho, e cheia de criatividade e dons artísticos, logo tínhamos muito em comum. A água sem dúvida foi um dos pontos que mais nos aproximou mesmo nos poucos anos que tivemos juntas, sempre foi a água e tanto fazia se água das piscinas ou a água do mar. Um pouco desta paixão ela passou para mim logo no começo colocou Marina como meu segundo nome.

É para comemorar seus 100 anos que deixei para este ano o lançamento deste primeiro livro  da série VIRA-MUNDOS para dar assim início a um projeto em que trabalho há anos, o de publicar livros infantis ou mesmo infantojuvenil, contando sobre as muitas vidas que existem no mundo das águas e fora delas.

Este, primeiro livro da série Vira-Mundos – Baleias em Abrolhos, é a versão infantil da história que deu início ao Sistema das Essências Vibracionais D’Água uma linha de medicamentos vibracionais que trazem equilíbrio e bem-estar, seja para o físico, mental, emocional ou mesmo
espiritual.

O DILEMA DAS REDES

Este é o documentário do momento, esta fazendo sucesso pois alguns dos ex-funcionários das mais famosas e poderosas redes sociais resolveram contar como é feita a manipulação por trás destas firmas.

Somos suscetível a todo e qualquer tipo de atenção, afinal desde o nascimento até um bom tempo depois, precisamos das relações humanas para sobreviver. Ficamos muito tempo ‘na mira’ direta de quem nos dispensa muito tempo e atenção para que possamos ter conforto físico e emocional; seja pelo alimento, sono, asseio e boas doses de carinho e afeto. 

Na maioria das vezes é justamente através da atenção que nos dispensam que nos tornamos seres sociais, nos reunimos desde sempre em grupos para uma infinidade de situações. Isso desde que o mundo é mundo. 

Neste documentário estes ex-funcionários e mais alguns tantos professores de comunicação e informática nos contam que as redes sociais usam o mesmo procedimento. Afinal têm sistemas operacionais que “sabem”o que nos chama mais atenção e assim providenciam tais coisas.

Por exemplo, quem nunca passou por isso – se nos detemos pesquisando valores de uma torradeira, misteriosamente todas as lojas que vendem este tipo de torradeira começa a enviar vários modelitos e preços desta mesma torradeira.

Estas redes sabem de tudo, até mesmo o que não gostaríamos que ninguém soubesse. As explicações dadas por eles é simples o tempo de atenção que precisamos. 

Dá mesma forma quando damos um “like” em um determinado assunto, somos “fisgados” e passamos a recebem temas relacionados a ele.

Os atrativos que nos detém por mais tempo ligados na rede para eles é ‘dimdim’ no bolso, e nós ficamos cada vez mais presos, nestas redes de identificações.

É na verdade um mundo mágico que existe por trás destas redes sociais, que ao mesmo tempo nos dão muita atenção através dos “likes” que recebemos daqueles que fazem parte da minha, sua e nossa rede pessoal, ou através destes ‘posts’ que aparecem enquanto estamos navegando.

O incentivo para cada um é a atenção que nos dispensam, para eles da redes é o quanto somos capazes de adentrar neste emaranhado de grupos e assim nos perpetuamos plugados naquilo que eles indicam.

Ivan Petrovich Pavlov, nos demonstrou que através do reforço negativo ou positivo conseguimos aprender ou ensinar qualquer coisa a qualquer um.

Os ratinhos brancos de laboratórios “sabiam” que existia duas alavancas na gaiola em que eram colocados após x’s horas sem água e assim que entravam na caixa experimental rapidamente se dirigiam a alavanca certa. Afinal já haviam entendido que a outra estava seca.

É o mesmo princípio que é usado nas redes sociais, não duvide nem por um momento disso. Nos condicionam para clicar ‘like’ ou não a cada post que recebemos, sejam da nossa rede ou da rede dos  “amigos” que nem sempre conhecemos. 

Mas como sempre precisamos de ‘likes’ o tempo todo corremos atrás deles, quem não gosta de receber ‘likes’ quando posta alguma coisa em qualquer lugar da rede. Lembre-se de que quando era criança recebia ‘likes’ da mamãe também sempre fazia algo que estava de acordo com o ensinamento dado por ela. Na escola recebíamos ou recebemos ‘likes’ dos professores, na minha época tinha a estrelinha, tirar 10 era uma coisa, agora 10* era o máximo. 

Somos todos condicionados e queremos mais é receber “likes e mais likes” por todas as coisas que fazemos. Só que no momento as redes trouxeram algo extra e imediato que dá aquela levantada em nosso astral, logo nos submetemos. 

Não é crime querer atenção ou gostar de atenção e problema que estes ex-funcionários das redes sociais levantam é para que passemos a pensar a respeito deste assunto; assim como ter consciência de com nos conduzem estes poderosos instrumentos da internet. Mais nada! 

Se a Autoestima esta somente ligada aos “likes da rede”, isso é um sinal perigoso. Afinal para ter Autoestima equilibrada é preciso olhar para para dentro de nós e não para o que dizem as redes sócias sobre nós. 

Da mesma forma não podemos pensar que a “vida” que o cola nestas mesmas redes seja só sorrisos e comidinhas legais, brincadeiras e passeios em lugares de arrasar.  

NÓS E A MACARRONADA!

Esta figura me veio à cabeça quando pensei escrever sobre nossos laços de família. Várias são as razões, uma delas é claro que é por macarronada ser uma das possibilidades do cardápio de almoço de domingo na casa dos pais.

A outra que mais chama minha atenção é a forma com que o pegador de macarrão junta os fios do macarrão. Quando fechamos o pegador, sempre vem um monte de fios juntos. Um grande emaranhado se forma. Da travessa até chegar a cada prato, formam aqueles rabichos que torna bem difícil não fazer uma verdadeira ‘mixórdia’ na toalha da mesa.

Tanto que em casa se dizia que toalha de mesa para macarronada só se usa uma única vez, pois com certeza alguém sempre deixa pelo menos um fio de macarrão cair sobre ela.

Quando penso em família e familiares esta imagem sempre me vem à mente. Este aglomerado de gente que a família é e como tem sempre algum rabicho que está meio lá meio cá. Saindo ou entrando dela.

Lógico que formamos ‘em família’ aquele quase que intermináveis almoços de domingo, quando a macarronada é posta à mesa e os grandes debates começam a surgir.

Não importa muito qual o assunto que irá rolar, pois sempre aparece um ‘certo’ detalhe no qual toda uma grande assembleia familiar se forma, e a tarde toda se vai, em inúmeras opiniões e ‘disque-disque’ disse me disse que muito dificilmente se resolverá alguma pequena coisa.

Mas sem todo falatório no almoço de domingo enquanto rola a macarronada isso seria deixar a família de fora de tudo que é assunto de família. E aí que graça tem ter família sem ter estas tardes de domingo e os temas mais eletrizantes da nossa vida discutidos entre uma ‘porpeta’ e outra.

Na adolescência e juventude frequentei inúmeras macarronadas em família nós todos, primos e primas, pais, tias e tios sempre entravamos e grandes confusões como a compra de um carro novo, outra viagem, namorados, casamentos, na verdade eram assuntos diversos, porém sempre davam margem para os longos debates durante a macarronada.

Palpites, histórias antigas, porpetas – almôndegas – e macarronada são elementos que dão um bom molho para as tardes de domingo. Para mim macarronada combina com conversas, risos, gargalhadas, discussões e mesmo as eternas implicâncias entre os adoráveis parentes. Tudo pode acontecer durante um almoço destes

Até mesmo uma piada que vinha escrita no papelzinho para não esquecer, e só por isso já era hilário o suficiente para mais e mais gargalhadas., afinal ler passo a passo uma piada entre uma garfada e outra, não tem como não rir.

Comunicação, é em família que começamos a aprender e a perceber a importância das palavras e como é possível mesmo dentro desta confusão aprender sobre empatia e sentimentos, e o mais importante respeito pelo livre pensar de todos.

Cianita

Click para ampliar!*

Dados geográficos

VALE DO JEQUITINHONHA – Minas Gerais – Brasil.

A essência

Esta essência facilitará a abertura para as experiências e os conhecimentos previamente adquiridos que se encontram num nível muito distante da nossa consciência, tornando-os mais “visíveis” através de insights. Principalmente nos possibilitará ver que circunstâncias aparentemente casuais estão genuína e intimamente atadas umas às outras.

Mosaico das Essências D’Água – Comunicação.

Para ampliar, CLICK!

COMUNICAÇÃO

Expressão – Troca de informações nas relações com mundo!

Todos os dias enfrentamos situações desafiadoras, alguns dias, os desafios são mais claros, outros dias são as lutas simples do cotidiano, mas em todas as lutas, sejam elas quais forem, vamos sempre precisar usar ao máximo o nosso potencial criativo, para não cairmos na chatice da rotina. Quando precisamos nos comunicar para algo mais específico, como fazer testes, provas – ENEM – vestibular – entrevista de emprego, a reativação da memória e da criatividade para enfrentarmos uma destas situações, será bem vinda para apaziguar os medos.

 

Introdução ao Mosaico das Essências.

Estaremos postando a série com as dez formulações das Essências D’Água com as fotos de seus componentes, para que todos possam visualizar melhor as escolhas feitas. Desta forma, poderão pesquisar no site das Essências D’Água, a fórmula que estarão considerando tomar.

Quer ampliar? Click Here.*

 

AGIR

 

Para despertar e fazer acontecer.

Essencial para nos trazer de volta de forma clara e precisa o propósito do que viemos fazer na vida com estímulo e força de vontade mesmo quando o caminho parece difícil e a energia se encontra em baixa.

2* EDIÇÃO – demora mas … A ficha cai

TUDO tem dois lados, às vezes me parece que é isso que a vida quer nos mostrar, abrindo uma janela no tempo e no espaço, para que possamos vislumbrar como as coisas realmente são e como as coisas mudam e muito, como nada é tão somente de um jeito só.

Pois bem, aconteceu comigo, há algum tempo atrás; tive um sonho certa vez e quis muito que outra pessoa sonhasse o meu sonho comigo. (Escrevi sobre isso aqui no STUM, com o titulo:- Demora, mas a ficha cai).

Agora, este texto se trata da exata mudança de posição.

Quando a situação se inverte!

E é justamente a outra pessoa que tem um sonho, e só porque o tem, acha justo que você o sonhe juntinho com ela. Caso isso não ocorra a coisa neste momento muda mesmo, aquilo tudo que você queria muito ter respeitado como sendo justo e imprescindível no caso dela, agora não é mais, já que o é para mim.

Veja você! Agora preciso muito, preciso mesmo sonhar o sonho que não é meu.

Caso contrário eu vou acabar sendo aquela Bruxa Má! É aquela mesma que vai “ferrar” a outra pessoa! Isso acontece sempre, muito mais do que se pode imaginar e cá para nós, a verdade é que nem precisa ser um grande sonho, basta você deixar de fazer alguma coisa, que a outra pessoa quer que você faça para ela. Porque para ela é importante e pronto, e é aí que a confusão esta feita.

Como esta se dizendo muito nos dias de hoje:- “O pau que bate em Chico não bate em Francisco”.

O que até então deveria ser “lei” passou a não valer mais.

Bom “a fila andou” só isso! Porém a visão do outro é que são elas! Ninguém é capaz de saber o que o outro sentirá com o que você diz.

Você sabe exatamente o que esta dizendo, todavia, nunca poderá ter certeza do que o outro ouvirá. E ainda mais o que fará com isso. No texto original 1ª Edição – conto como fiquei sofrendo e por um tempo enorme tentando fazer com que outra pessoa passasse a ver com meus olhos aquilo que só interessava a mim mesma. Foi maravilhoso pelo menos para mim, ouvir esta frase:- “você não pode querer que o outro sonhe o seu sonho!”

Nossa… caiu ou calcou como uma luva, esta simples frase, mas isso foi para mim. Agora como escrevi, estou vendo o inverso acontecer, sem mais nem menos, de repende virei uma bruxa má, aquela que quer detonar, a demoníaca, por deixar de rezar pelo mesmo terço, por não querer mais ler na mesma cartilha. Por deixar de sonhar aquele sonho que na verdade é só de uma outra pessoa…

Que coisa… não é? Quem sonha o sonha que é seu? De quem é o sonho que você agora passou a sonhar, senão só seu?

A braveza que vem do outro, por você não querer fazer parte dos seus sonhos, brota com força, dá pulos e engrossa com os palavrões, e assim por diante, quase fazendo biquinho também…O que fazer? Não sei, sinceramente não sei se temos muito que fazer quando se trata de ir contra ao que o outro quer sempre é um caso delicado.

Mexemos com sonhos que não são os nossos causa conflito, sofremos mesmo até conseguirmos entender que as nossas coisas são independentes das coisas do outro. Isto inclui os sonhos também. Como já escrevi, fiquei sofrendo um tempão até conseguir digerir a realidade que separava o meu sonho do não sonho da outra pessoa. E então viver bem com isso, e viver de bem comigo apesar disso.

Não, não é fácil. Demora digerir, mas dá para ser feito, sem ter que se jogar no chão e bater os pezinhos ou “xingar” a outra pessoa, ou mesmo pensar que ela quer “ferrar a sua vida”.

Maturidade foi a formulação que escolhi para o problema apresentado no primeiro texto e certamente é para esta situação também, pois sem amadurecimento não teremos chance alguma de deixarmos o outro ser quem ele realmente é; sem que isso caia como uma bomba em nosso colo cada vez que a atitude dele não vier de encontro as expectativas que esperamos dele.

Crescer leva tempo é artesanal, e é neste crescimento que formulação maturidade nos ajuda!

Mobilidade Urbana

Todo mundo está falando disso ultimamente. Pois bem, diga-me quantas possibilidades de locomoção você está vendo na fotografia? Só nesta Marginal de São Paulo, a Pinheiros, podemos ver a problemática CPTM sempre dando a sua paradinha. Marginal que por sua vez mal aguenta o super fluxo de caminhões, carros e das motos que voam baixo por ela!
DSC03590
Também vemos a ciclo “eco” via muito linda que passa por ali, bem pintadinha!

Mas nós não podemos deixar de ver pessoas andando na plataforma, a mais antiga forma de locomover-se pelo planeta. Então, até agora temos trem/ bicicleta e… claro a Marginal, mesmo com a redução de velocidade, ainda é, ou digamos, deveria ser, a opção mais rápida de idas e vidas pelas cidade, com os motorizados. Só que não!

Além destas três possilidades, temos o meio de se locomover pela água que já foi até cogitado, mas as lanchas que tentaram encalharam. Na tentativa, a hélice pifou… pelos ares, embora hajam restrições econômicas, os helicópteros ainda estão transitando no espaço aéreo – só que menos!

Então, temos os pés, as bikes e seus similares, digamos skates, patins, patinetes, depois os trensmotores em geral, helicidade, e quem sabe as tais balsas um dia! 

Bom, cá para nós, primeiro terão que limpar bem os rios ou então terão que distribuir máscaras de ar, para conseguirmos chegar a algum lugar. Ou simplesmente ao outro lado da rua, digo cruzar ou atravessar o rio de balsa.

A somatória de tudo são seis, poder-se-ia pensar em carroças, mas estas parecem estar definitivamente proibidas, talvez fora de questão, pelo menos há muito tempo não as vejo pela cidade de São Paulo, talvez pelas cidades na região da grande São Paulo. Afinal, tem de tudo por aí, a gente é que não vê nem a metade, pode-se dizer que não vemos quase nada do que existe de fato por aí!

Certo mesmo é que de qualquer forma iremos reclamar! Está em nossa veia! Já faz parte, parece!

Trânsito parado, ônibus quebrado, abarrotado, sinais no amarelo piscante e, quando chove, o amarelo piscante estará espalhado dolorosamente por toda a cidade, e os demais apagados… claro!

Agora os “radares” de Haddad estarão multando com toda certeza!

Isto é Viver São Paulo – esta emoção todo dia. Linha azul enroscada, trem coral dando um tremendo bote como uma cobra no trem das onze que não chegará à estação nenhuma devido a alguma pane! Avenida Paulista parada por causa de seis pessoas que protestam contra sabe-se lá o que, por hoje. Ontem foi sobre… o que foi mesmo? Bem, ontem ocorreram vários protestos, anteontem foi pior… dia sim, dia não, tem gente parando a Paulista e “causando” na cidade! Meia dúzia já basta e repercute até na casa do chapéu.

E a Mobilidade Urbana… bem, vamos voltar para a foto, quem sabe um dia, todas estas coisas funcionem uma de bem com a outra… e a gente ande pela cidade e se encante com ela.

 

Santo Antônio ou São José?

santo AntonioCoitadinho de São José!

É sim, não é brincadeira. Ele é sempre a bola da vez. Melhor dizer que nesta data ele é a bola da vez. Mas me parece que, na verdade, só ele tem vez. Como comemoramos o dia de Santo Antônio logo a seguir ao dia dos namorados, as esperanças dos que não têm um amor ainda recaem sobre ele; com muita força.

Soube, porém, por dona Yolanda a mãe de uma amiga, que Santo Antônio é bom mesmo em encontrar as coisas perdidas; a quem, aliás, recorre juntamente com nosso já conhecido São Longuinho – para se colocarem atrás de tudo que perdemos; e, talvez venha daí mesmo como disse um historiador carioca no Jornal da Tarde, se bem me lembro, a fama deste santo, que ele encontre os amores perdidos também, ou até mesmo aqueles que nunca foram encontrados, digo antes deste dia do santinho!

Agora, segundo esta senhora que estuda e por isso entende muito de muitos dos santos da igreja católica em questão, quem deveria ser reverenciado nesta data ou para estes assuntos de cunho amoroso ou de situação familiar ou sobre casamento é outro santo bem mais capacitado que Santo Antônio – que nem casado foi, diga-se de passagem!

Quem realmente é o cara que entende disso, aquele que faz a festa nas famílias e nos lares, que une realmente os casais, pois é ele que assume os compromissos sem olhar o peso e a responsabilidade que tem e traz em si; aquele que não pensa na força e na coragem necessária para formar uma família, ou leva-la adiante, quem mais senão São José.

Ele mesmo, o pai de Jesus, ele é o patrono da família, é que quem quer casar deve evocar e chamar. Quem formou uma família, sem muito questionar, aceitou a missão e a abraçou a causa e com ela seguiu até o final.

Se existe um Santo em quem se pode confiar nesta situação com certeza não é Santo Antônio, mas sim São José, confie e verá; disse-me a senhora que contou toda a história.

Então, hoje sem tirar a vez de Santo Antônio, afinal foi aniversário dele ontem, que sempre foi um santinho e que sempre foi muito reverenciado em casa e todo lugar, estou só colocando uma nova possibilidade para quem estiver querendo fazer mais uma “fezinha em mais um santo” e encontrar a alma gêmea.

Não esqueça faça a escolha de uma carta no TAROT das ESSÊNCIAS D’ÁGUA e veja o ela revela para você!
www.essenciasdagua.com/  
ou click direto BEM aqui
http://www.essenciasdagua.com/escolha2/escolha2.php

Síndrome do Impostor

Quem já não se sentiu como impostor?

Deixe-me explicar para quem não ouviu ainda falar disso, pelo menos não com este nome.

maturidadeSíndrome do Impostor, (ou fraude) ‘fala’ sobre aquele sujeito que não merece o tudo de bom que está acontecendo na sua própria vida. Parecendo não ser capaz de internalizar os feitos que proporcionou em seu caminhar.

Isso acontece de repente, pode ser por um tempinho ou por longos espaços de tempo. Em verdadeiros estados de abominação ao sucesso que lhe pertence.

Nada importa que as provas de exclusiva competência sobre tudo que tem realizado sobre as suas ações venham a comprovar sua envergadura.

Muita gente importante de cinema se sente frequentemente desta forma. Uma destas celebridades que “sofre” com esta síndrome é Emma Watson a conhecidíssima atriz de Harry Potter, a Hermione Granger já declarou se sentir uma fraude!

Por algum tempo já chegou a duvidar sobre competência como atriz. Embora tenha crescido no set de filmagem e tendo recebido reconhecimento público por sua atuação não acredita em seu sucesso e como muitos ‘juram que foi pura sorte’ ou porque sabe enganar muito bem e que mais cedo ou mais tarde irão desmascará-la.

A ajuda divina também conta, os ‘padrinhos mágicos’ e até os bons ventos, bons tempos e tudo mais, jamais por seu próprio merecimento e esforço; estudo, dedicação, coragem e até mesmo valentia.

Ter prestígio ou ser merecedor dos dividendos do seu trabalho duro parece não ser levado em conta em tempo algum. Logo todo sucesso alcançado é ‘meio’ que desmoralizado uma vez que tudo veio dos céus ou pela infinita bondade de Deus. Como se o trabalho não tivesse sido seu de pôr as mãos para a obra funcionar.

Adivinhe de onde vem esta sensação, estes doloridos sentimentos de menos valia? Isso mesmo, todo este jogo faz parte da baixa autoestima, que por mais incrível que pareça está sempre à postos. Não importa qual profissão, qual idade e economias que tenha conseguido ganhar.

Fique de olho, se você vive dizendo que em todos os seus feitos foram ‘Graças ao Bom Deus’ e esquece de todo rala e rola que você teve para chegar no mais alto lugar do podium, alguma coisa está errada bem aí dentro de seu coração, com você mesmo!

Claro que Deus está por aí o tempo todo e como um grande pai torce por nós, sempre! Abre as portas e nos acolhe em seu Sagrado Coração. Mas aquele esforço é de cada um de nós que estamos aqui ralando para acertar, melhorar e fazer dar certo os nossos propósitos nesta vida.

Não se pode tirar os méritos de quem foi responsável pela escada dos acontecimentos favoráveis na vida, não se pode perder isso de vista. É preciso ter clareza sempre, que estas coisas acontecem e o puxar de tapete faz parte do nosso show. Mas se, isto é comum e nos pertence, é necessário lutar contra isso também. 

Fique atento, fique de olhos bem abertos… ao que você pensa, ao que você sente só assim poderá perceber o julgando pesado e errôneo que está fazendo de si próprio.  

Ajudinha extra? Se precisar essências d’água tem algumas fórmulas que podem muito bem dar aquela mãozinha que está faltando!

MATURIDADE – é a formulação que ativará seu lado mais sábio, mais sensatos, para orientar os pensamentos e assim ficará mais fácil seguir em frente e desfrutar de suas conquistas, todas elas, sem duvidar de sua capacidade.