Blog das Essências
Blog das Essências
Blog das Essências

Pressão e Sucesso

Será que o sucesso existe sem aquela pitadinha de pressão? Será que algum dia a pressão realmente acaba?

Sinceramente penso que não, somos estimulados desde bem pequenos a ter sucesso, um atrás do outro. Quer ver… pense bem, quando fazemos “festinha” para as crianças quando fazem algo novo, quando dá alguns passos mesmo que vacilantes, quando começam a andar de ‘bike’ sem cair ou quando tiram as rodinhas da primeira bicicleta, sempre somos estimulados, e aplaudidos nas conquistas, então aprendemos a querer mais.

Notas da escola – são boas, nos dão parabéns, junto com certa pressão para que no próximo boletim sejam ainda melhores, em todas as áreas, fez nível um, já perguntam quando seguira para o “dois”. Hoje em dia até os Vídeos Games cobram imediatamente para que faça mais pontos, vá para outro jogo com maior dificuldade, sempre com um novo desafio o que quer dizer… pressão     

Só que precisamos pensar que com o passar do tempo esta pressão começa a ser nossa. Nós mesmos passamos a querer mais e mais.

Imagine o quanto um atleta, de qualquer modalidade esportiva que pratique, desde muito pequeno. Os aplausos de seu sucesso vão se tornando parte de cada treino, de cada segundo a menos na tabela de pontuação para ultrapassar os próprios recordes.

As Olimpíadas no Japão acabaram. A maioria dos vencedores tem algo em comum. Subir mais um pouco no podium ou manter-se no que conquistou.

O certo é que a pressão de dentro ou de fora nunca acaba, natural é ser campeão, não nos preparam para não termos sucesso. Mesmo crescidos ninguém quer pensar em fracassar, perder, com isso o perigo é deixar de tentar. 

  Hoje vemos com muita frequência competições infantis que outorgam medalhas para todos os participantes, não importando perder ou ganhar. Talvez isso dê a falsa ideia que não preciso de esforço algum para receber prêmios.

Por outro lado não ajudam em nada o crescimento emocional, crianças precisam aprender a lidar com o que não dá certo, com os erros, em ficar fora do “podium”. Às vezes ganhamos, outras não. Isso nos diz que precisamos de mais dedicação, treino, mais paciência e persistência. 

A pressão nunca acabará, cada ‘nova’ ideia desencadeia uma torrente de ações para chegarmos ao ‘podium’ não importa qual, sempre iremos querer vencer, por isso lidar com a pressão externa e interna são coisas difíceis, e não sobra energia nem por um instante para o não dar certo, incluir a possibilidade do fracasso pode nos fortalecer, perder não pode ser o fim do mundo. Pode mostrar mais claramente a necessidade de maior tempo de treino e dedicação.

Precisamos nos preparar melhor para as coisas que não dão certo na vida, para não deixarmos de lado o que realmente importa que é tentar nos superar, dar o melhor de si em tudo que se faz não necessariamente é a certeza de medalhas, mas sempre pode ser um bom começo. 

A Nova Bike do Bob!

Na verdade o nome deve ser:- BOB e sua bike!

Quem não andou por horas a fio de bicicleta pela infância, adolescência ou mesmo na vida adulta.

Infância e bicicleta certamente foram feitas um para o outro. Só que não! Afinal tudo que pesquisamos sobre bikes, sempre foram pensadas por homens para adultos. Homens e mulheres sempre foram atraídos por velocidade seja ela de que máquina for.

Sempre que precisamos chegar mais rápido em qualquer canto pensamos sempre nas maquinas que nos ajudam a chegar lá no melhor e menor tempo.

Não me canso de lembrar certa propaganda em que o menino colocava inúmeros bilhetes em todos os bolsos, pastas, cadeiras e em tudo mais com os dizeres:- Não esqueça da minha Caloi!

Talvez não o posso jurar que foi lá nesta época que a indústria de bicicletas começou a dar mais atenção a este grande público com inovações sem igual todos os anos coisas novas sobre duas rodas no mercado.

Desde a minha primeira bicicleta vermelha, muita coisa mudou e se modernizou, e com o apelo planetário para deixarmos de lado os carros ela criou alma nova, mas sobre suas velhas duas rodas, elas ganharam até motor elétrico nesta época.  

Tenho a impressão que este novo apelo das bike’s mexe com alma dos seres humanos em geral, afinal para se andar de bicicleta não precisamos ter dezoito anos ou mais.

Modelos que se adaptam até mesmo para aqueles não conseguiram aprender ainda durante a infância, então sempre se pode pedalar por aí, seja nas ciclovias que agora também estão na moda, seja nas tardes de domingo na Avenida Paulista!

Bem isso é muito bacana, faz parte da história da humanidade e pouca gente não a tem na memória, assim com muitos nos dias de hoje reativam esta velha forma de locomoção, exercícios ou mesmo de pura diversão.

Por isso quando uma amiga me contou que seu marido escolheu de presente de aniversário uma nova bike. Foi um presente da família e que até mesmo o ele, Bob teve que participar, afinal não quis qualquer bikezinha, escolheu o guidão mais alto, o selim que melhor lhe agradasse, marchas certas, amortecedores, e por aí afora. 

Então… como vemos a bike moderna tem o DNA do dono, e Bob com o passar do tempo se tornou exigente, afinal faz muito tempo que encostou a última bicicleta, conta a lenda que a namorada da vez pediu que escolhesse a bike ou ela, adolescência é fogo! 

Porém a vida é dinâmica e muda o tempo todo, tanto que a esposa participa junto com os filhos para que o presente do Bob seja perfeito e a nova bike seja tudo e mais um pouco nesta festa de aniversário .

Parabéns Bob, muitas e boas pedaladas por aí!

Mamãe e seus 100 anos!

Para e por Lulu Moreira, minha mãe que faria 100  anos este ano, uma mãe do signo de escorpião, professora de desenho, e cheia de criatividade e dons artísticos, logo tínhamos muito em comum. A água sem dúvida foi um dos pontos que mais nos aproximou mesmo nos poucos anos que tivemos juntas, sempre foi a água e tanto fazia se água das piscinas ou a água do mar. Um pouco desta paixão ela passou para mim logo no começo colocou Marina como meu segundo nome.

É para comemorar seus 100 anos que deixei para este ano o lançamento deste primeiro livro  da série VIRA-MUNDOS para dar assim início a um projeto em que trabalho há anos, o de publicar livros infantis ou mesmo infantojuvenil, contando sobre as muitas vidas que existem no mundo das águas e fora delas.

Este, primeiro livro da série Vira-Mundos – Baleias em Abrolhos, é a versão infantil da história que deu início ao Sistema das Essências Vibracionais D’Água uma linha de medicamentos vibracionais que trazem equilíbrio e bem-estar, seja para o físico, mental, emocional ou mesmo
espiritual.

O DILEMA DAS REDES

Este é o documentário do momento, esta fazendo sucesso pois alguns dos ex-funcionários das mais famosas e poderosas redes sociais resolveram contar como é feita a manipulação por trás destas firmas.

Somos suscetível a todo e qualquer tipo de atenção, afinal desde o nascimento até um bom tempo depois, precisamos das relações humanas para sobreviver. Ficamos muito tempo ‘na mira’ direta de quem nos dispensa muito tempo e atenção para que possamos ter conforto físico e emocional; seja pelo alimento, sono, asseio e boas doses de carinho e afeto. 

Na maioria das vezes é justamente através da atenção que nos dispensam que nos tornamos seres sociais, nos reunimos desde sempre em grupos para uma infinidade de situações. Isso desde que o mundo é mundo. 

Neste documentário estes ex-funcionários e mais alguns tantos professores de comunicação e informática nos contam que as redes sociais usam o mesmo procedimento. Afinal têm sistemas operacionais que “sabem”o que nos chama mais atenção e assim providenciam tais coisas.

Por exemplo, quem nunca passou por isso – se nos detemos pesquisando valores de uma torradeira, misteriosamente todas as lojas que vendem este tipo de torradeira começa a enviar vários modelitos e preços desta mesma torradeira.

Estas redes sabem de tudo, até mesmo o que não gostaríamos que ninguém soubesse. As explicações dadas por eles é simples o tempo de atenção que precisamos. 

Dá mesma forma quando damos um “like” em um determinado assunto, somos “fisgados” e passamos a recebem temas relacionados a ele.

Os atrativos que nos detém por mais tempo ligados na rede para eles é ‘dimdim’ no bolso, e nós ficamos cada vez mais presos, nestas redes de identificações.

É na verdade um mundo mágico que existe por trás destas redes sociais, que ao mesmo tempo nos dão muita atenção através dos “likes” que recebemos daqueles que fazem parte da minha, sua e nossa rede pessoal, ou através destes ‘posts’ que aparecem enquanto estamos navegando.

O incentivo para cada um é a atenção que nos dispensam, para eles da redes é o quanto somos capazes de adentrar neste emaranhado de grupos e assim nos perpetuamos plugados naquilo que eles indicam.

Ivan Petrovich Pavlov, nos demonstrou que através do reforço negativo ou positivo conseguimos aprender ou ensinar qualquer coisa a qualquer um.

Os ratinhos brancos de laboratórios “sabiam” que existia duas alavancas na gaiola em que eram colocados após x’s horas sem água e assim que entravam na caixa experimental rapidamente se dirigiam a alavanca certa. Afinal já haviam entendido que a outra estava seca.

É o mesmo princípio que é usado nas redes sociais, não duvide nem por um momento disso. Nos condicionam para clicar ‘like’ ou não a cada post que recebemos, sejam da nossa rede ou da rede dos  “amigos” que nem sempre conhecemos. 

Mas como sempre precisamos de ‘likes’ o tempo todo corremos atrás deles, quem não gosta de receber ‘likes’ quando posta alguma coisa em qualquer lugar da rede. Lembre-se de que quando era criança recebia ‘likes’ da mamãe também sempre fazia algo que estava de acordo com o ensinamento dado por ela. Na escola recebíamos ou recebemos ‘likes’ dos professores, na minha época tinha a estrelinha, tirar 10 era uma coisa, agora 10* era o máximo. 

Somos todos condicionados e queremos mais é receber “likes e mais likes” por todas as coisas que fazemos. Só que no momento as redes trouxeram algo extra e imediato que dá aquela levantada em nosso astral, logo nos submetemos. 

Não é crime querer atenção ou gostar de atenção e problema que estes ex-funcionários das redes sociais levantam é para que passemos a pensar a respeito deste assunto; assim como ter consciência de com nos conduzem estes poderosos instrumentos da internet. Mais nada! 

Se a Autoestima esta somente ligada aos “likes da rede”, isso é um sinal perigoso. Afinal para ter Autoestima equilibrada é preciso olhar para para dentro de nós e não para o que dizem as redes sócias sobre nós. 

Da mesma forma não podemos pensar que a “vida” que o cola nestas mesmas redes seja só sorrisos e comidinhas legais, brincadeiras e passeios em lugares de arrasar.  

Na certa são tempos difíceis!

Na certa precisamos aprender algo com tudo isso. “Para o mundo que eu quero descer”; esquece já passamos do ponto. Só se pode descer quanto tudo isso acabar.
Na certa precisamos ter algo assimilar depois de tanto isolamento juntos, outros separamos, outros em paz, e muitos envolvidos em pequenas / grandes guerras particulares.
Na certa precisamos entender mais profundamente no que nos metemos momentos antes desta história toda começar. Tão esquecidos do que realmente é importante no dia a dia.
Na certa precisamos rever todas as relações com o todo. Começando por nós mesmos, caso esteja difícil de fazer companhia a si mesmo, talvez seja porque esta faltando mais de você em você mesmo, o que certamente deixa tudo bem pior para encarar o #fiqueemcasa. Afinal, o #fiquecomvocê pode ser devastador.
Na certa precisamos evoluir em alguma coisa ou coisas. Para tal é preciso repensar muito daquilo que somos. O que nem sempre é fácil. É mais ou menos como limpar armários. Se não olhar atentamente para cada peça de roupa e pensar o quanto ela ainda o representa, não poderá tirá-la de lá.
Na certa precisamos filtrar o que escolher daqui para frente do tudo que somos, e isso é terrível; cada escolha vem com um acompanhamento que não se pode dispensar.
 Na certa precisamos usufruir de uma forma diferente a liberdade quando esta “joia estiver novamente disponível”, num futuro breve. Refazer os caminhos tão simples como o poder que nos é garantido pela vida simples, aquele de ir e vir, sem restrições.
Na certa precisamos viver com mais consciência do todo, começando por si mesmo, passando por cada um dos outros que estão próximos, para tal precisamos de reavivar a empatia, a tanto tempo esquecida, quanto mais empatia
usamos, melhores podemos ser.
Na certa precisamos resgatar aqui / agora algumas coisas importantes que com o passar “dos tempos ou das vidas” fomos deixando pelo caminho.
Na certa precisamos repensar quem e o que vamos nos tornar quando sairmos novamente para a convivência diária com o planeta, com o próximo e consigo mesmo. Tempo para pensar estamos todos tendo.
Na certa precisamos acreditar que menos podemos sair deste distanciamento social mais conscientes, e quem sabe até mesmo mais felizes

SERENIDADE – esta é a palavra chave para o momento.

Cassia Marina Moreira

Como muita gente, tenho trabalhado de casa, fazendo atendimentos via Skype e ou video/conferência  E o que tenho percebido é bem por aqui… dai este texto sobre a necessidade do momento …de manter a mente quieta a espinha ereta e coração tranquilo…

SERENIDADE em tempos de crise –

Em finais de semana ou mesmo férias prolongas é moleza, mas agora a dinâmica é bem outra. Quarentena… acaba sendo um grande dificuldade.

Horas e horas, dias e dias e muito possivelmente meses e meses dentro de casa para evitarmos um inimigo “quase” invisível. Que esta a solta perambulando pelas ruas, pior pelo ar, tudo se tornou uma ameaça que nos faz temer pela própria vida e pela vida dos nossos mais chegados.

Maçanetas e botões de elevador se tornaram no mínimo preocupantes, e na volta pelo sim pelo não empurre o que puder com o cotovelo. Lave mãos, antebraços e rosto, para assim se certificar que seu nariz ficou limpo novamente de possíveis elementos que respirou por aí.

Um novo ritual até mesmo para esticar um pouco as pernas e manter a casa limpa é descer até a garagem para levar o lixo da casa numa lixeira e o lixo reciclável na lixeira própria dele. Também para quem como eu, sai de casa e ficar dando voltas e mais voltas pela área livre do prédio.

Claro que tudo muda, quando vem alguém no sentido contrário. Aí é bem engraçado o:- “olá você vizinho” meio de lado, meio de “fianco”, de viés para deixar o vento carregar qualquer vírus bem para lá, bem para longe.

Entre os familiares há até mesmo disputa para ir fazer alguma coisa, mesmo que seja levar o cãozinho para uma “mini volta lá na calçada”. Quando nas semanas anteriores a encrenca era para coisas do tipo:- “hoje é seu dia ou agora é a sua vez”, ou ainda quando o disse-me-disse era só “pelo poder do controle remoto”.

Então, manter a rotina de vida é bem necessário para a cuca não pirar de vez. Horário para levantar, fazer café, trabalhar um pouco no Home Office, manter a parada para fazer almoço, descobrir de quem é a vez de arrumar a cozinha, voltar ao Home Office. E assim por diante. Manter certo ritual acabará sendo benéfico a todos nós.

Rotina nos trás segurança, serenidade, e manter a rotina é trabalhar diretamente na nossa “Força de Vontade” que precisa nestes dias de crise ser mais forte e poderosa do que nossas frustrações; estas que todo momento sentimos ao olhar para frente, como não sair de casa, esta talvez a mais difícil.

Serenidade e Ternura trarão a força necessária para enfrentarmos a crise externa, e a crise interna – talvez a mais difícil. Nossa vontade fraca produz avanços à geladeira de hora e hora, discussões a todo o momento; a preguiça, por exemplo, pode vir a ser um inimigo bastante poderoso, por isso a rotina é bem-vinda, afasta esta possibilidade.

A Organização Externa, nos ajuda a manter a Organização Interna, assim com ter um propósito, uma proposta que o mantenha ocupado. Ler um livro ou reler um bom livro que leu há anos atrás. Vou começar a reler “Cem anos de solidão” um grande romance e desafio, principalmente neste momento.

Ouvi no rádio que para familiares em confinamento Jogos de Tabuleiro, podem ajudar a convivência, assim não ficarão cada um em seu celular ou tablete individualizados. Mas reunidos com o propósito de juntos passarem o tempo de isolamento.

Com serenidade conseguimos lidar com a ansiedade que traz medo além da horrível sensação de impotência que fatalmente derrubará a autoestima; quando nos indispomos conosco não é nada bom. Esta insatisfação pessoal trará uma frustração por descobrir que não somos super-homens ou a mulher maravilha, isso pode desencadear muitos TOC´s. comer sem parar, limpar a casa, maçanetas, interruptores de luz, a cada quinze minutos.

O truque é não deixar que pensamentos automáticos permaneçam e nos enlouqueçam, para parar este automatismo mental assustador, é preciso prestar atenção no que se esta pensando e onde este pensamento esta nos levando.

Só a consciência é capaz fortalecer a nossa vontade e afastar frustrações e o medo decorrente desta crise. Um dia de cada vez, é a proposta para se firmar no aqui e agora; pensar que esta “inação” pode durar semanas vai se tornar um problema ainda maior. Viver um dia de cada vez facilitará presença de serenidade para o ambiente em que nos encontramos.

Tudo pode acontecer até mesmo sairmos desta quarentena bem mais fortalecidos e quem mudamos algumas coisas em nos mesmos para melhor.

FINADOS – Dia dos Finados! Dia dos Mortos!

 É o dia celebrado pelo catolicismo em 2 de Novembro, para se homenagear as pessoas falecidas os fiéis mortos.

Podemos olhar por vários ângulos a “sofrência” que se instala perante a morte dos nossos entes queridos. A começar pela forma familiar em que somos criados vendo o desenrolar destas situações dentro de nossa própria vidinha em família desde pequenos. Pelo simples fato de vivenciarmos os “dramas ou não” que os parentes fazem quando ocorrem os falecimentos no núcleo doméstico durante a nossa formação.

Quanto mais difícil for o sofrimento e longa a elaboração do luto neste núcleo familiar mais pesaroso será para as crianças também. Pela literatura e nas cinematecas podemos ver melhor como o luto era ‘tratado’ nos anais da história, pesados vestidos negros, casas sem luz e quase sem vida também, filhos que deixavam de frequentar bailes e outras festividades e assim por diante. Um pesar cheio de dor interna e externamente mostrado.


Isto fazia parte da cultura ou das culturas, cada uma das sociedades tem seu jeito e modo de encarar a morte e como enfrentar a ausência daquele que partiu.

Partilhamos e fomos deixando esses “modos” de sofrência para lá, talvez a vida agitada foi nos dando outras formas de cultuarmos nossas dores e ausências de outras formas. São poucos que ainda frequentam os cemitérios com certa regularidade. E mesmo nas datas mais marcantes tenho visto muitos túmulos sem aquele preparo que antigamente se faziam.

Semanas antes de finados por exemplo, havia certo ‘frenesi’ para saber quem ou se era preciso lavar ou pintar ou ainda dar uma ajeitada no túmulo, hoje com os PAX da vida, e da morte, melhor dizendo; que são os cemitérios gramados este hábito familiar acabou ou quase. Talvez ainda levem flores, ou cheguem até lá para lustrar as pequenas plaquinhas com o nome do finado.

Assim como levar ao cemitério bebidas e alimentação, música, como também se fantasiar para a data de finados, e ir até os túmulos e fazer verdadeiras refeições festivas como é no México e que se tornou parte de alguns roteiros turísticos deste país. Desde o aeroporto da capital – Cidade do México existem restaurantes, muitos, com “esta pegada”, o que atrai o cliente para tirar as fotos e selfies com as caveiras todas enfeitadas e festivas e o turista acaba ficando.

O certo é que de um jeito ou de outro com túmulos, cemitérios gramados, urnas com as cinzas dos que foram cremados, sempre teremos nossos mortos em algum lugar físico ou no coração para chorar e lembrar.

“Alguém tem de morrer para valorizarmos a vida”!

Colocaria um sinal de interrogação, mas como ouvi isso em algum lugar, e não sei onde e nem ao menos quem foi que disse. Mas tenho certeza que não podemos pensar e agir desta maneira em relação à vida. Valorizar a vida contudo é uma opção, e, cada um precisa parar, pensar e escolher o que irá valorizar na sua vida. Todos temos liberdade para isso.

O que importa na vida e para a vida de cada um, é uma escolha sempre; como qualquer outra coisa que nos fala tão de perto, afinal saúde é um apanhado de itens não apenas físico mas também emocional, mental, assim como espiritual. Por conta disso, cada opção que fazemos tem que ser feita antes de tudo, com muita consciência.

De que lado do funil escolhemos olhar?

Acontece comigo o tempo todo, fico paralisada diante de um problema que a primeira vista parece sem solução. Mas aqui cabe uma reflexão! Existe algum problema que logo no primeiro olhar não nos pareça um problemão?

Cada problema ou todo problema sempre irá causar um desassossego em nós, afinal ele quebra a nossa tão idolatrada comodidade, por isso costumamos achar que são enormes os ditos cujos problemas.

E no fundo… Pelo menos meia dúzia deles será preciso resolver todos os dias logo no período da manhã, para não pesar muito com os que virão com certeza fazer parte de nossa agenda no período da tarde e quem sabe pela noite adentro!

Pessimismo, não – não nada disso! Tudo irá depender de que lado do funil você estará olhando!

Estar vivo é estar em movimento!

E enquanto estivermos vivos estaremos querendo coisas que nos faça nos sentir bem. Então é aí que mora o perigo, primeiro é sempre a expectativa, esta tem relação direta com o que quero e com que posso realizar – “Se ambas não estiverem de acordo… terei um problema”, bem aqui.

De que lado do funil você esta olhando agora…

Proponho este livre pensar aos clientes,  quando estão concentrados ou fixados num único problema. Sem conseguir olhar para o lado ou à frente. Só enxergam o caos ali adiante, e claro quando estamos nesta fase, absorvidos pela espiral que um grande problema traz e não conseguimos ver saída.

Por isso peço para que virem o funil e olhem pelo lado pequenininho não mais por aquele que converge nosso olhar para um único ponto, aquele que nos dá um ponto exclusivo de foco – neste caso o problema.

Penso que se focarmos demasiadamente o problema com certeza nós deixaremos de encontrar as soluções. Pelo simples fato de não estarmos mais atentos ao todo.

Parto de um princípio básico de que se existe um problema há pelo menos uma solução, o negócio aqui – durante o caos – é ter esta certeza e criatividade para encontrá-la.

Ao olhar pelo outro lado do funil, do “furinho para a boca” – ou seja, para a parte larga dele, podemos ver de uma área bem maior, isso nos dará mais saídas de escape e então mais soluções possíveis aparecerão com certeza. Mais chances de dar a volta por cima de qualquer problema que estejamos enfrentando.

Quando “co criei” com a natureza as essências vibracionais da mina dágua e do caranguejo, foi justamente baseada neste princípio.  Deixar o piloto automático de lado e escolher melhor os pensamentos!

A primeira essência Mina Dágua é aquela que vai colocar nossa criatividade para trabalhar e assim ir quebrando os padrões de pensamentos “achatados” que sempre preferem surgir rapidamente para dizer que não tem saída para tal problema, cocriei.

segunda essência do caranguejo-esponja  que é um ser bem criativo, ele recorta a esponja para se camuflar e chegar ao seu objetivo, a satisfação de sua necessidade básica alimentação. Nós usamos as camuflagens como forma de não precisarmos encarar  dificuldades e enfrentar o problema rapidamente.

Esta essência nos mostrará que fazemos das situações limitantes a “justa causa dos sofrimentos que é estar vivo” e usar isso como uma desculpa para não encarar e resolver problemas ou pior se tornar apático e aos poucos ir deixando de querer para não ter que se mexer e ter trabalho com as realizações.

Vida é movimento e realização então, vamos ficar atentos para sacar de cara por qual lado do funil nós estamos olhando e conscientemente optar pela mudança ou não.

Para saber mais e melhor sobre o caranguejo-esponja visite o site https://www.essenciasdagua.com/ , mas tudo mesmo sobre destas duas essências estão nos livros que você pode adquirir pelo e-commerce na www.loja-essenciasdagua.com/Mina Dágua está no 2º livro ‘Essências Vibracionais D’Água’ e Caranguejo-esponja esta no 3º – ‘Mar de Noronha e outras Águas’.

UMA PULGA ATRÁS DA ORELHA

Quem já não ouviu esta máxima?

Com a pulga atrás da orelha. Podem ser muitas outras coisas também.

Gosto de pensar nesta proposta “metafórica” quando é preciso que as pessoas passem a prestar atenção muita ‘atenção’ em tudo que possa estar pensando, possa estar sentindo ou mesmo onde possa estar querendo chegar.

Estar presente em tudo que seja lugar, sempre presente; sempre atento, sempre alerta como nos escoteiros. Este estar vigilante ao que se esta pensando ou sentindo, pode fazer “maravilhas” por todos nós. Nos tira do estado de inconsciência e automatismo que nos assola quando desatentos à realidade que nos encontramos.

Neste estado apenas vamos respondendo aos estímulos mais nada, absolutamente nada. Tão ruim como um simples estímulo / resposta. Impensado, aparentemente até involuntário podemos dizer a respeito destas respostas automáticas.

Uma pulga bem alimentada, uma consciência bem atenta sobre o que estamos fazendo, pensando, querendo e por aí afora. O que facilita a tomada de consciência é a psicoterapia. No peculiar mexe e remexe das nossas ‘coisas’, durante as sessões de psicoterapia; esta falta de clareza sobre o que realmente se passa conosco vem à tona e então podemos adquiri-la.

A vantagem de ter consciência sobre nossas vontades, medos e mais precisamente de como ‘funcionamos’ em meio a todo burburinho mental que agita a vida é que podemos ter certa lucidez para nos relacionar com o mundo.

Quem não se lembra do Grilo Falante, um personagem bem-humorado e sempre presente da história de Pinóquio, que foi o tempo todo, sua consciência para que as coisas ficassem bem. Bom… quando Pinóquio conseguia ouvir a voz do grilo a lhe falar.

Aqui na nossa história não precisamos dar voz a nossa ‘pulga’; mas quando uma pulga é bem nutrida sempre pode dar uma grande ajuda, com uma pequena picadinha atrás da orelha quando for preciso, e isto pode nos colocar de volta para ficarmos atentos ao que realmente importa – ter consciência de como funcionamos, e então efetuar as mudanças que queremos.

Então vamos lá, alimente sua pulga!

Objetivos Palpáveis

Objetivos possíveis, visando sempre o melhor mesmo que nem sempre – pareça tão fácil de conseguir! Este princípio pode levar a vida adiante, e também é capaz de abrir portas e nos dar boas soluções.

Isso combina muito com uma das Essências D’Água:- Luz no fim do Túnel, que oferece força e coragem para quem quer sair do escuro e chegar à luz, à solução daquele impasse, é uma essência que nos dá movimento, nos e leva ter ação.

Somos todos pressionados por desejos, que nos dão medos – em proporções diferentes para cada qual. Às vezes o medo é proporcional ao tamanho do nosso desejo mais profundo. A paralisação que ocorre quando pretendemos que algum sonho crie vida, venha daí; por isso esta essência é uma boa pedida, pois ela rompe a imobilidade.

Ideações e aspirações requerem pelo menos um tantinho de coragem e um olhar atento para o que é um objetivo palpável, para se chegar a ter pelo menos um esboço no papel. Se isso acontecer é muito provável que poderemos ver esta ideia se tornar presente.

Mas, o que é um objetivo palpável? Penso que são os planos que precisam de elaborações, ou seja, planejamento. Nada se torna palpável se não conseguirmos elaborar as estratégias de realização. Isso é:- deixar claro como este “sonho” poderá se concretizar. Qual a chance de dar certo? Qual a possibilidade de conseguir sucesso para o empreendimento? Como chegar lá? Então, esta é a hora para isto?

Talvez estas perguntinhas e outras tantas precisem ser feitas para que o plano vá adiante. Nada que um pouco de persistência não resolva O mais importante é ter consciência das próprias possibilidades de realizar algo. O que você realmente consegue fazer, para não viver só de ideações.

Antes de tudo realizar planos é um aprendizado. Sem gastar energia desnecessariamente com ideias que podem nos frustrar é preciso aprender a pensar. Ponderar é o melhor para isso. Ao examinar a questão já estaremos a caminho da realização.

Neste ponto será bem legal colocar outra essência d’água – Coconutque traz em si o potencial de enraizamento e frutificação. Pode ser que você queira adicionar também a essência do Polvo, que nos dá clareza e aguça nossa inteligência na resolução dos problemas.

Esta pequena formulação pode ser utilizada em inúmeras situações, você bem pode imaginar, afinal, somos seres movidos a desejos e buscamos realizações constantemente.

            Você pode acrescentar mais algumas essências em sua fórmula, para tal visite o site www.essenciasdagua.com pesquise as demais essências e então comece a canalizar para os seus objetivos palpáveis.